Valério Romão (Clermont Ferrand, França, 1974) prolonga o exercício na navalha da escrita, por enquanto sobretudo no romance e no teatro, com uma ideia performática do acto literário, pelo que não será difícil encontrá-lo dizendo versos em voz alta, com acompanhamento ou nem por isso. Ou discorrendo nas redes sociais sobre gatos.