SEIVA

Seiva é música de identidade portuguesa a mostrar a força vital da oralidade rural e da urbanidade.
Seiva é um olhar feminino sobre a alma portuguesa, presente nas canções de trabalho, nas romarias, nos adufes e pandeiros, ritmos antigos e canções de fé, com especial ênfase nas mulheres que protegem, e acolhem e conhecem todos os males. Estas Mulheres são de uma ancestralidade imemorial, também conhecidas por “Senhoras”: como a “Senhora do Leite”, “Senhora dos Remédios ou a “Virgem da Consolação”, invocadas em cantos que transformam a fé em verdadeiros actos de cura. Joana Negrão encarna cada uma destas “Senhoras” na sua performance e a elas se entrega com amor e devoção em cada canção.
Seiva encontra nos cantos femininos tradicionais portugueses a raiz da sua identidade e ganha ainda mais eco com Rita Nóvoa, que alia graciosidade e força nos tambores que fazem o coração bater mais forte. Ritmos que o tempo vai deixando para trás mas que se reinventam em novas vidas e em novas texturas. Seiva também existe na viola braguesa, e no cavaquinho de Vasco Ribeiro Casais e olha em frente para desbravar novos caminhos, misturando a tradição com electricidade sem pudores nem purismos.
Os Seiva são uma das mais originais e internacionais bandas do panorama folk em Portugal. Iniciaram a sua carreira em 2014 com o objetivo de fazer um projeto musical totalmente baseado na música de tradição oral portuguesa. Herdeiros dos extintos Dazkarieh, Vasco Ribeiro Casais e Joana Negrão trouxeram para os Seiva a sua vontade em explorar ainda mais a música tradicional Portuguesa, presente nas canções de trabalho, nos adufes e pandeiros, nas canções de fé e em instrumentos como o cavaquinho, a viola braguesa e as gaitas de fole.
Editam o seu primeiro disco em 2015 utilizando apenas instrumentos tradicionais e misturando-os com os seus temas originais, com eletrónica e eletricidade. “Dura de Roer” o single de estreia fez parte da playlist da TSF e de algumas rádios internacionais, Radio Dreyeckland na Alemanha, Radio Popolare em Itália, e Les Rutes del So em Barcelona, que nomeou o disco de estreia dos Seiva como o 2o melhor de 2015. A banda tocou um pouco em salas e festivais em Portugal e recebeu boas críticas das imprensa internacional como a fRoots (U.K.), Songlines (U.K.), Folker (DE), Folkworld (DE), críticas essas que abriram as portas a concertos fora de Portugal como Folk Hebst (Alemanha), Eurofonik Festival em Nantes (França), Ghanafest Festival (Malta) e Night of the Arts em Helsinki (Finland).
Em 2019 foram galardoados com o prémio “Impulso” atribuído pela rede de periodistas ibero-americanos no festival Exib Música. Em 2020 foram seleccionados para showcases no WestWay Lab (via live stream), no BIME City of Bilbao e na SIM São Paulo (transmissão do concerto do WestWay Lab), e também para o catálogo de artistas da INES Talent 2020. Em 2021 participaram (via live stream)no Festival NAMM nos Estados Unidos e actuam na cerimónia de abertura da Womex.
2022 será marcado pela edição do seu novo disco “Murmúrios e outros rumores”.
Sem pudores nem purismos, os Seiva fazem com que as raízes portuguesas ganhem um novo significado nos dias de hoje.
Joana Negrão: Voz, Gaita-de-foles Portuguesa, Adufe;
Vasco Ribeiro Casais: Braguesa, Cavaquinho, Adufe, Gaitas-de-foles Portuguesas; Rita Nóvoa: Percussões Portuguesas;