folio ministro cultura

Ministro da Cultura homenageia poeta de Óbidos e defende apoios para o Folio

José Diogo Blog

Até 2018 irá ser criado em Óbidos um espaço dedicado a Armando Silva Carvalho, poeta homenageado domingo pelo ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, no Folio e apontado pelo governante como um exemplo que deve ser apoiado. “Desde muito jovem que acompanhei o percurso poético de Armando Silva Carvalho, um poeta importante que se inscreve na tradição lírica corroendo-a”, afirmou o ministro da Cultura durante uma homenagem ao poeta natural de Óbidos, integrada na programação do Folio – Festival Literário Internacional de Óbidos.
Desafiado pela coordenadora do festival, Celeste Afonso, para contribuir com os seus conhecimentos sobre a vida e obra do poeta para um “movimento que dê a conhecer a importância cultural” daquele autor, o governante acedeu a integrar o projecto que vai ser desenvolvido até 2018.
O festival literário contou nas primeiras edições com apoios comunitários, que por opção dos municípios da região do Oeste, foram este ano canalizados para eventos noutros municípios.

Apoios para o Folio

“Não comentamos as opções das autarquias”, afirmou o mi- nistro sublinhando “o papel extraordinário” que a autarquia de Óbidos teve na mobilização de parceiros que permitiram suportar os custos do festival cuja programação ascende a um milhão de euros.
O Ministério da Cultura apoiou o evento com uma verba de 10 mil euros, “não são os apoios para o Folio desejados mas aqueles que foi possível conceder”, admitiu o governante.
Sob o tema “Revoluções Revoltas e Rebeldias” o Folio, que na quinta-feira abriu portas, de- senvolve-se em cinco capítulos – Autores, Folia, Educa, Ilustra e Folio Mais. Vinte e nove mesas de autores, dez exposições, 15 conversas e um seminário internacional marcam o programa do festival que se prolonga até ao dia 29

 

Ler artigo completo no Diário de Leiria